A História do Homem-Bom (2)

O Homem-Bom foi bom a vida toda. 

Mentira: o Homem-Bom foi bom a vida quase toda. 

O Homem-Bom deixou de ser bom num segundo. Antes desse segundo, o Homem foi sempre bom.

Toda a gente no bairro o conhecia.

Era o Homem-Bom que ajudava as senhoras a carregar os sacos até suas casas. Diziam, no bairro, que o coração do homem era o maior coração do mundo: um elemento anatómico de proporções sobre-humanas, um músculo muito capaz, não só de bombear sangue, mas de albergar largas quantidades de amor pela humanidade. 

Não havia uma pessoa que o Homem-Bom não cumprimentasse. Mesmo quando estas o olhavam desconfiadas, em silêncio, numa atitude muito citadina, muito embrenhada na solidão característica de quem vive as suas vidas dentro de caixas de betão. Ele – o Homem – não se preocupava com essa indiferença. 

O Homem-Bom usava um chapéu preto na cabeça e sempre que cumprimentava as pessoas tirava o chapéu com a mão direita e alongava o braço, como se pedisse esmola. Mas o Homem não queria dinheiro. O Homem queria nada. Aquele era um gesto de cortesia; uma forma de respeitar o próximo. 

Conclusão: estender o chapéu é um acto de bondade.

Deixe uma resposta