Linha verde 18:14

Na linha verde do metro, ao final do dia, todos entram na carruagem a correr, com medo de chegarem atrasados aos seus destinos. Os miúdos pintam os rostos dos velhos com asneiras, e outras conversas com cheiro a charros e cerveja barata. Todos estão presos: às suas vidas; às suas rotinas. Passam os cegos, a pedirem esmola. Ninguém os parece ver. Não consigo distinguir quem viverá mais às escuras.

Deixe uma resposta