Categoria: Mitologias

O Velho

Tudo o que ele fazia com os dias era deixá-los passar.

Sentava-se à espera, enquanto a linha se desenrolava e o novelo se tornava cada vez mais pequeno. 

Não havia muito a fazer. A vida esfarelava-se a um ritmo humano: os órgãos teimavam em ser o que eram, mas com algumas falhas mais evidentes.

De cada vez que metia a garrafa à boca, imaginava o fígado a deteriorar-se: uma esponja velha, com a sua utilidade reduzida a muito pouco.

O mundo perpetuava-se, muito altivo, com todas as suas cores, para lá dos seus olhos. Negava-se a acreditar que aquele ainda era o mesmo mundo de quando era criança. Era um mundo novo, com novos problemas. E esses problemas, de tão presentes, de tão actuais, afiguravam-se maiores que os problemas do passado.

Os médicos disseram-lhe que tinha apenas uns meses de vida. Para quem tem um passado tão longo, uns meses são coisa de minutos. Pensou para si que deveria deixar os problemas no futuro, junto com a morte. Lá, eles não chateiam e, aqui, no passado, ainda são demasiado pequenos.

Deixou-se ficar vendo novas crianças tomando conta das ruas e a repetir, em jeito de epitáfio, entre cada gole: o futuro é uma questão de minutos. 

A vassoura da minha avó

O pai da minha avó dizia que a vassoura dela era mágica: encontrava sempre pó (mesmo quando o chão estava limpo). A vassoura da minha avó passou para a minha mãe. Continua a ser um objecto místico, com propriedades muito particulares: encontra – sempre – pó no chão limpo. Quando a minha mãe a usa recordamos a minha avó e o pai da minha avó (que não conheci). Os objectos mágicos são assim: trazem de volta, por momentos, aqueles que já partiram.