Categoria: Sem categoria

A angústia do trabalhador quando vai ao Multibanco

A vida
toda à espera
que me paguem
que me paguem
que me paguem

e vou daqui – da
vida – de bolsos
vazios

A dança

A rapariga entendia muito pouco a dança. Percebia o movimento, a frequência; essas coisas a que os materiais estão sujeitos. Havia lido, também, algures, que os seres humanos, feitos de carne e osso, têm muito em comum com as estrelas, a um nível atómico. Então, deu por si a olhar para cima: o céu noturno brilhando em pequenos pontos de luz. Comoveu-se. Principiou o movimento rotacional: o dorso dobrado, os braços esticados, tentando alcançar o horizonte celeste. O seu caos interno como ignição: uma bailarina movendo-se segundo o ritmo da vida; uma estrela dançante movendo-se segundo o ritmo da vida.

Sem título

Olho para as coisas e a poesia já lá está. Não me sinto capaz de certas arrogâncias: acreditar que o poema surgiu devido a uma combustão espontânea que se deu quando olhei a árvore, cheirei a flor, senti a textura da terra entre os dedos, ouvi os pássaros, ou provei o fruto. Não. O poema não surgiu em virtude de mim. Já lá estava. Era anterior à minha percepção. Eu apenas o extraí – como alguém extrai uma farpa de madeira cravada na carne.

Não fui eu quem fez a poesia: é a poesia que nos faz.

Futurologia

Passar
os dias tentando
adivinhar
o calibre certo da pistola
que me há-de
matar

Literatura

Disseram-me, no outro dia, que os poetas

falam muito dos desgostos de amor

Não respondi

mas devia

ter dito que sem desgostos 

– de amor ou não –

não haveria literatura.

Se é felicidade que procuras

lê livros de auto-ajuda

conta mentiras ao espelho

até que ele te repita verdades.

Ou abre uma garrafa de vinho

saboreia o travo amargo e aguarda que as palavras

te cheguem à boca. 

Verás: a literatura é tudo o que

não conseguimos digerir

Língua

labareda
dançante

que queima
na mesma proporção
que arrepia

Entre a carne e a poesia (há o osso)

Celestino era talhante nos dias úteis e poeta nos fins-de-semana. Depois de uma semana a esquartejar carcaças, chegou a casa, lavou bem as mãos, garantiu não ter sangue nenhum debaixo das unhas, pegou na caneta – como se pegasse num cutelo – e apontou no papel aquilo que lhe pareceu uma boa conclusão para um poema:

Cuidado
Sei manejar objectos cortantes

Contos infantis em tempo de pandemia

Ao Rui Rocha

cada um na sua casa
seguindo as recomendações
da DGS
os Três Porquinhos
olhavam a rua
das respectivas janelas

não tardou muito
até que a GNR
fosse contactada:
havia um Lobo Mau
a furar a quarentena

Contos infantis em tempo de pandemia

quando disseram a Alice
que nos dias de hoje
quanto maior
a distância maior
o amor
ela julgou estar
do lado
errado
do espelho

Contos infantis em tempo de pandemia

Desta vez, o espelho
disse à Bruxa Má
que a beleza física
é uma característica sobrevalorizada
evitando assim uma série
de eventos catastróficos que
levariam a Branca de
Neve aos cuidados intensivos